Digital clock

sábado, 20 de dezembro de 2014

A SEGUNDA PROFECIA MAIA

A 2ª profecia anunciou que o comportamento de toda a humanidade mudaria rapidamente a partir do eclipse solar de 11 de agosto de 1999. Naquele dia vimos como um anel de fogo que se recortava contra o céu, foi um eclipse sem precedentes na historia pelo alinhamento em crus cósmica com o centro da terra de quase todos os planetas do sistema solar. Eles se posicionaram nos 4 signos do zodíaco que são os signos do 4 evangelistas, os 4 guardas do trono que protagonizam o apocalipse segundo São João. Além disso, a sombra que a lua projetou sobre a terra atravessou a Europa, passando por Corsovo, depois pelo Oriente Médio , Irã, Iraque e posteriormente dirigindo-se ao Paquistão e a Índia . Com a sua sombra ela parecia prever uma área de conflitos e guerras.

Os Maias sustentavam que a partir desse eclipse, o homem perderia facilmente o controle ou então alcançaria sua paz interior e tolerância evitando os conflitos, então viveremos uma época de mudanças, que é a ante-sala de uma nova era, a noite fica mais escura antes do amanhecer.
O fim dos tempos é uma época de conflitos e de grande aprendizagem, de guerras, separação, loucura que vai gerar por sua vez processos de sofrimento, destruição, e evolução.
A segunda profecia indica que a energia que se recebe do centro da galáxia aumentará e acelerará a vibração em todo o universo para conduzir a uma maior perfeição. Isso produzirá mudanças físicas no sol e mudanças psicológicas no ser humano que mudará sua forma de pensar e de sentir. Serão transformadas as formas de relacionamento e de comunicação, os sistemas econômico-sociais de ordem e justiça, serão mudados as convicções religiosas e os valores que aceitamos hoje. O ser humano irá defrontar-se com seus medos e angustias para solucioná-los e assim poderá sincronizar-se com o ritmo do planeta e do universo.
A humanidade irá se concentrar no seu lado negativo e poderá ver claramente as coisas ruins que estão fazendo, esse é o primeiro passo para mudar de atitude e conseguir a unidade que permite o surgimento de consciência coletiva. Serão incrementados os acontecimentos que nos separam mas também os que nos unem, criando uma instabilidade emocional, o medo, a agressão, o ódio, as famílias em dissolução, os enfrentamentos por ideologia, religião, modelos de moralidade e nacionalismo. Simultaneamente mais pessoas encontrarão a paz interior, aprenderão a controlar suas emoções, haverá mais respeito, serão mais tolerantes e compreensivas, encontrarão o amor e a unidade. Surgirão homens com altíssimos níveis de energia interna, pessoas com sensibilidade e poderes intuitivos para a salvação. Mas também surgirão farsantes que pretenderão obter lucro econômico as custas do desespero alheio.
Os Maias previram que a partir de 1999 começaria a era do “tempo do não-tempo”, uma etapa de mudanças rápidas necessária para renovar os processos geológicos, sociais e humanos. Ao final do ciclo cada um seria seu próprio juiz, será quando o seu humano entrará no grande salão dos espelhos para analisar tudo o que fez na vida. Ele será classificado pelas qualidades que tenha conseguido desenvolver na vida, sua maneira de agir dia após dia, seu comportamento com o semelhante e com o planeta.
Todos irão se posicionar segundo o que sejam, os que conservam a harmonia entenderão o que aconteceu como um processo de evolução no universo. Por outro lado, haverá outros que, por ambição ou frustração, culparão outros ou a Deus pelo que acontecerá.
Serão geradas situações de destruição, morte e sofrimento. Mas elas também darão lugar ao mesmo tempo a circunstancias de solidariedade e respeito pelo semelhante, de unidade com o planeta e com o cosmos. Isso significa que o céu e o inferno estarão se manifestando ao mesmo tempo e cada ser humano viverá em um ou em outro dependendo de seu próprio comportamento. No céu com a sabedoria para transcender o que acontecerá, no inferno para aprender com a dor e com o sofrimento. Duas forças inseparáveis, uma que entende que tudo no universo evolui para a perfeição, que tudo muda, outra envolta em um plano de materialismo que só alimenta o egoísmo. Na época da mudança dos tempos, todas a opções estarão disponíveis e praticamente sem censura de nenhum tipo e os valores morais serão mais frouxos que nunca para que cada um se manifeste livremente como é.
A 2 profecia afirma que se a maioria da população muda seu comportamento e se sincroniza com o planeta serão neutralizadas as mudanças drásticas que serão descritas nas seguintes profecias. Devemos estar conscientes de que o ser humano sempre decide seu próprio destino especialmente nesta época, as profecias são apenas advertências para que tomemos consciência da necessidade de mudanças de rumo para evitar que isso se torne realidade.
Fonte: Anjo de Luz

sábado, 6 de dezembro de 2014

FRUTOSE – UM ASSALTO A SUA SAÚDE

O respeito à fisiologia humana não pode ser considerado um tradição a ser esquecida,
é o atavismo básico que ancora os humanos à roda da vida.
Distanciá-lo dessa doce ou amarga realidade
é dar suporte a dor, ao sofrimento e a doença .
Isso tem sido feito por gente ruim, e muito gente boa...

Quando procuramos na internet artigos sobre os problemas que são imputados à frutose, poderemos ficar impressionados. Existe todo o tipo de associação entre esse carboidrato com transtornos metabólicos.

Vamos tentar listar alguns mais relevantes

Muitos estudos apontam para o fato da glicose regular a secreção de leptina (um importante hormônio para a saciedade alimentar) uma vez que estimula a liberação de insulina (ou seja, a leptina fica dependendo da liberação desse último). Mas a frutose não representa um estímulo para a liberação de insulina, logo não estimula a produção de leptina, isso, obviamente, se transforma num fator de falta da provocação da saciedade. Por outro lado alguns estudos apontam para o fato de que um consumo crônico aumentado de frutose leva a uma resistência à leptina, que é fator reconhecido de indução à obesidade. Finalmente, pode ainda induzir à resistência a insulina, outro fator comprovadamente provocador da síndrome metabólica e diabetes tipo II.

A frutose é preferencialmente metabolizada para lipídios no fígado. Isso pode estar associado a um aumento crônico nos triglicerídeos. Além disso, a frutose tem um caminho bioquímico dentro do fígado que acaba num eventual aumento de colesterol. O número cada vez maior de pessoas que se descobrem com esteatose hepática (fígado gorduroso, descoberto em exames de ecografia em pessoas que não tem hepatite e não tem problemas com o álcool) também parece ser conseqüência da sobrecarga de frutose na alimentação. Outros distúrbios do fígado como aumento de volume e certos tipos de hepatite também parecem associados à frutose.  

Adicionalmente muitos estudos revelam que a frutose estimula um aumento do ácido úrico; além das implicações do próprio aumento do ácido úrico, isso pode levar a uma redução de Óxido Nitroso, um elemento químico fundamental na fisiologia corporal. O óxido nitroso faz parte da fisiologia da camada íntima dos vasos sangüíneos e controla a musculatura lisa das artérias. Sua participação no controle da pressão arterial e da saúde interna dos vasos é bastante documentada. Uma redução do óxido nitroso pode participar da gênese da hipertensão e da doença cardiovascular.

Já está estabelecido que a frutose aumenta as taxas de ácido úrico, de forma aguda, como o álcool, pois o seu metabolismo consome fosfato de alta energia do ATP no fígado, a transformação de ATP em AMP resulta na produção terminal de ácido úrico. Desta forma, pode-se facilmente raciocinar na implicação do consumo abusivo de açúcar (e frutose em qualquer outra forma) na gota (um tipo de artrite que afeta mais os homens e se caracteriza por inchaço doloroso e agudo de uma única articulação, em uma crise). O próprio aumento do ácido úrico no sangue pode significar estresse oxidativo e a instalação da síndrome metabólica.

Outro hormônio recentemente descoberto também é afetado pela frutose: a grelina (em inglês: GHRELIN, onde GHRe são as iniciais de Grow Hormone Realese, ou seja liberador de hormônio do crescimento). A grelina tem níveis reduzidos após uma refeição, mas se mantém elevada com o consumo de frutose. Níveis elevados de grelina também estão associados ao aumento de peso.

Esses fatos precisam ser mais bem interpretados. No olhar convencional da mente medíocre, que costuma moldar a média da ciência de mídia pop atual, parece que isso representa apenas um problema ligado a frutose, como se a natureza tivesse mal equipado o corpo humano a uma eventual “dádiva alimentar divina”...

Não, não é assim. Temos que enxergar o processo ao longo da história adaptativa da espécie humana. Nas estações do ano onde haveria frutas e carboidrato com alguma abundância, essas qualidades da frutose, ajustariam eventuais reservas de energia sob forma de gordura, e mesmo colesterol, para tempos mais árduos nas estações mais frias ou mais precárias em alimentos “fáceis”. Claro que as caçadas muitas vezes representaram desafios adaptativos mais caros em consumo de energia para comunidades de hominídeos que buscaram firmar a espécie nesse planeta. Isso deve ter sido um fator poderoso de equilíbrio entre a fisiologia e as eventuais facilidades alimentares ofertadas pela natureza ainda distante do açoitamento ambiental dos futuros tempos agrícolas e transformação antrópica do meio natural.

Mas a oferta de carboidratos, sempre com frutose (50% da sacarose, o açúcar), mudou bastante após a agricultura, e, finalmente, ganhou qualidades especialmente perversas nos tempos recentes. Muitas pessoas tomam sucos (adoçados) para matar a sede. Isso não guardou qualquer respeito à fisiologia da espécie, além disso, muitas frutas deixaram de serem frutas da estação, ou de um determinado espaço ecológico, para estar sempre à venda em qualquer lugar do planeta. Além, é claro da frutose usada como adoçante de uma ampla variedade de produtos para fins alimentares. O assédio desmesurado das facilidades dos tempos em que o açúcar desvirtuou completamente o padrão alimentar, com o suporte oficial da inverossímil pirâmide alimentar, (cuja base é carboidratos, mesmo aqueles que não costumam “dar”, estarem prontos, em árvores) criminosamente apoiado por profissionais que se dizem promotores de saúde, resultaram no maior ataque à saúde dos tempos atuais: epidemia de obesidade e diabetes, associado é claro, a todo o tipo de distúrbio de natureza metabólica como hipertensão, cardiopatia, mas pode ter relação com problemas infantis de comportamento, quem sabe até mesmo com uma piora da falta de controle do impulso agressivo e dificuldades de aprendizado. Quem sabe seja mola propulsora dos problemas hormonais, e quase certamente de muitos tipos de doenças degenerativas e câncer.

Um prêmio à esperteza dos profissionais de saúde, que infelizmente não costumam ter em sua formação disciplinas de antropologia e fisiologia aplicada...

O pesado estímulo ao consumo cada vez maior de carboidratos em substituição às proteínas e ácidos graxos naturais, ofereceu como generoso presente a todos nós, bem ou mal intencionados com os cuidados com a saúde, um “grande avanço social”: nunca tivemos tanta gente obesa e com todas as conseqüências e problemas adicionais ligados a um estímulo fisiológico para qual a espécie não foi projetada, mesmo que muitas mentes “generosas” tenham imensa dificuldade em aceitar tal fato, seja o seu profissional de saúde que lhe dá orientações para dieta ou prevenção cardíaca, seja o seu guru de alimentação espiritualizada...

Mas é a velha história, não há lugar mais cheio de gente bem intencionada... do que o inferno!

Curiosidades adicionais:

1) Segundo estudos basta 29,5 g de açúcar (sacarose= frutose+glicose) para matar um ratão.

2) A sacarose (forma mais comum açúcar de cana) é uma molécula composta por glicose e frutose. Ou seja, 50% do açúcar é frutose. (A lactose também é uma molécula composta por dois hidratos de carbonos: galactose e glicose).

3) Não existem carboidratos essenciais à vida humana. Essenciais são componentes alimentares somente obtidos do meio ambiente: existem apenas ácidos graxos (gorduras) e aminoácidos (proteínas) essenciais. A razão singela para isso é que o corpo humano, através da gliconeogênese produz a glicose necessária para gerar energia e suas reservas orgânicas para uso mediato, como o glicogênio, a partir de reservas de gordura corporal, principalmente. Há também vias metabólicas que produzem todos os demais carboidratos necessários ao funcionamento do organismo.

(Isso não funciona assim para os recém nascidos, que recebem, através do leite materno galactose e glicose (na forma de lactose), que para ele é essencial ao desenvolvimento do sistema nervoso central, basicamente, porque o galactocerobrosideo é o glicolipideo fundamental para a formação da mielina, a bainha de todos os neurônios, que sem galactose não pode ser construída.)

4) Na natureza o homem poderia consumir em torno de 3% de fontes calóricas com frutose. Esse percentual subiu astronomicamente nos tempos atuais.

5) Falar em “excesso” de consumo de açúcar ou frutose é uma expressão imprecisa, pois parte do pressuposto que há uma faixa normal de consumo nas sociedades industrializadas. É possível que diante das “facilidades” alimentares a expressão “excesso” devesse ser substituída por “padrão”. Pois, mesmo um modelo orientado por dietéticos, deve estar muito acima do realmente natural, em termos de quantidades de carboidratos na alimentação, aquela que o corpo humano possa estar acostumado a lidar. O padrão atual é, em si, pernicioso.

QUEM TEM SEDE TOMA ÁGUA, QUEM TEM FOME TOMA SUCOS.

Consulte:

 http://ajprenal.physiology.org/cgi/content/abstract/00140.2005v1

http://edrv.endojournals.org/cgi/content/abstract/30/1/96

http://jasn.asnjournals.org/cgi/content/full/17/12_suppl_3/S165

Fonte: Youtube